O Papel do Centro Naprej no processo de inclusão comunitária de pessoas com lesão cerebral adquirida 2. 4. 1

Author/s: Jasna Vešligaj Damiš

Keywords: Center Naprej, inclusão no desporto, lesão cerebral adquirida, reabilitação

O Centro Naprej para Pessoas com Lesão Cerebral Adquirida é uma organização eslovena sem fins lucrativos. A nossa área de especialização é a reabilitação de longo prazo, a nível psicossocial e da saúde, depois de adquirida a lesão cerebral. Todos os serviços e programas que oferecemos (terapia ocupacional, fisioterapia, assistência psicológica e social, cuidados de saúde, emprego sob condições especiais) foram concebidos para aumentar a participação ativa dos utilizadores na sociedade e melhorar a qualidade das suas vidas, bem como a vida das suas famílias. Uma importante área do nosso trabalho são vários programas preventivos, de aconselhamento e educacionais dirigidos a grupos especiais e ao público em geral. Além dos nossos utilizadores, dedicamos um cuidado especial às suas famílias – incluímo-las em todas as fases do processo de reabilitação, proporcionando-lhes aconselhamento e apoio. Os programas de reabilitação ocorrem em duas unidades diferentes em Maribor e Murska Sobota.

Os utilizadores do serviço são pessoas que sofreram uma lesão cerebral grave, têm um estatuto de deficiência e precisam de diferentes tipos de ajuda na sua vida diária.

O Centro Naprej como instituição inclusiva

O Centro Naprej desempenha um papel importante através do seu trabalho e implementação de serviços, o papel de integrar pessoas com lesão cerebral adquirida (daqui em diante referida como ABI) no ambiente local e social mais amplo. Definitivamente, esta é uma área muito sensível, já que estamos a falar de pessoas que são a parte mais vulnerável e ameaçada da humanidade no que se refere à prestação de direitos declarados, uma vez que eles próprios, na maioria das vezes, não se conseguem defender e exigir os seus próprios direitos.

Como a maioria dos nossos utilizadores precisa da ajuda de outra pessoa, é importante saber quem e que organizações é que prestam esta ajuda. É importante apoiar os trabalhadores com o devido aconselhamento, ajuda profissional, educação e formação, supervisão e intervisão. Aprendizagem e ferramentas técnicas apropriadas também são essenciais.

O Centro Naprej é uma instituição inclusiva:

  • enfatiza/ incentiva a participação, não a competição,
  • procura soluções que são benéficas para todos, tendo em consideração as suas deficiências,
  • prepara para relacionamentos e vida em comunidade,
  • estabelece novas relações, conecta um indivíduo com os outros,
  • reforça o respeito e a compreensão mútua,
  • visa as necessidades do indivíduo – satisfazendo o que é possível, dentro ou fora da instituição.

O regulamento da integração de pessoas com deficiência como um espelho da sociedade

O regulamento da integração de pessoas com deficiência na comunidade é, sem dúvida, um espelho da sociedade como um todo (StefanciC, 2002) e uma sociedade que quer que as pessoas com deficiência tenham melhores oportunidades de desenvolvimento e que deseja aceitá-los como membros iguais da comunidade deve, tanto quanto possível, criar um ambiente adequado para a sua integração e inclusão social.

Ao juntar-se à União Europeia, a Eslovénia comprometeu-se em seguir os valores democráticos sobre a igualdade de oportunidades e a independência das pessoas com necessidades especiais. O país é responsável por assegurar a igualdade de oportunidades. É especialmente importante pensar nas responsabilidades profissionais e éticas, responsabilidade de assegurar a igualdade de oportunidades para todos, o que subscrevemos como país com numerosas convenções e escrevemos na Constituição da República da Eslovénia. Para conseguir tal, deve ser adotada uma base profissional e jurídica adequada. Existem muitos argumentos na literatura profissional que confirmar esta hipótese, mas, infelizmente, na prática, muitas vezes acaba por ser diferente (Buzan, 2011).

As pessoas com deficiência são um subsistema social importante que representa uma porção significativa da população total: cerca de 10% no mundo, cerca de 15% na UE, na Eslovénia, os números são semelhantes (Kresal Soltes, 2006). A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, a qual foi ratificada pela República da Eslovénia em 2008, contribuiu significativamente para o reconhecimento dos seus direitos. Tal tem ajudado numa maior concretização dos objetivos do Programa de Ação para as Pessoas com Deficiência 2014-2021 e da Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020: Um compromisso renovado no sentido de uma Europa sem barreiras, a nível nacional e local, no que toca à vida quotidiana das pessoas com deficiência da República da Eslovénia.

As pessoas com deficiência têm as mesmas necessidades que as outras pessoas. Para que estas sejam satisfeitas, é necessário apoiá-los, ajudá-los a reconhecer as suas necessidades e até exigi-las. Todo o indivíduo precisa que as suas características especiais sejam objeto de atenção (Buzan, 2011). A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (http://www.mddsz.gov.si), no seu artigo 30º, regula esta área de direitos – o direito de participar na vida cultural e nas atividades recreativas e desportivas.

Os indivíduos com deficiência podem viver numa série de desafios durante o processo de inclusão na comunidade. Enfrentam também, muitas vezes, o isolamento, devido à existência de uma reduzida rede social, apesar de, hoje em dia, o mundo desenvolvido aceitar a ideia e o paradigma da inclusão.

O que significa “inclusão no desporto”?

Muitas vezes, no nosso trabalho de capacitação dos nossos utilizadores (sobreviventes de ABI) para participarem nas atividades desportivas, deparamo-nos com vários obstáculos, tais como:

  1. falta de consciência da inclusão entre as pessoas sem deficiência e como envolver adequadamente as pessoas com deficiência em grupos;
  2. falta de oportunidades e programas desportivos;
  3. falta de programas de formação para profissionais e prestadores de assistência no domínio do desporto para pessoas com deficiência;
  4. acesso limitado a algumas infraestruturas devido a obstáculos físicos;
  5. limitada informação, acesso a programas, infraestruturas, assistentes, etc (DePauw and Gavron, 2005).

As atividades desportivas e recreativas podem constituir um excelente meio que apoia um estilo de vida ativo e a criação de relacionamentos saudáveis entre as pessoas com e sem deficiência, uma vez que oferecem muitas oportunidades de comunicação e uma experiência social enriquecedora. As atividades desportivas adaptadas, realizadas na comunidade, promovem e facilitam a participação plena das pessoas com deficiência na vida real.

Apesar de as atividades desportivas poderem variar muito (por exemplo, esqui, stand-up paddle boarding, equitação, ciclismo, escalada, etc), o sucesso não depende só das características do indivíduo com deficiência, mas também das competências e conhecimentos dos profissionais, assistentes e voluntários que colaboram consigo. Estes indivíduos tornam-se espontaneamente parceiros de comunicação, em resultado da atividade partilhada.

Assim, através de experiências desportivas e recreativas ativas, incentivamos a comunicação e as relações sociais. Os grupos cooperam para serem bem-sucedidos e exploram ao máximo a experiência de todas as partes interessadas. O desporto não deve ser exclusivo de um grupo social particular, mas uma oportunidade para que todos possam evoluir através do movimento e da atividade mental, de acordo com as suas capacidades (Mihorko, 2014).

O desporto pode ser entendido de acordo com a definição dada pelo Presidente da UNESCO: “todas as formas de atividade física que contribuem para a condição física, bem-estar mental e interação social, como, por exemplo, jogar, divertir-se, desportos organizados ou de competição e desportos e jogos indígenas Grupo de Trabalho Interinstitucional da ONU, 2003).

Nas últimas décadas, a UNESCO dedicou muito esforços para implementar o princípio da inclusão em todos os níveis dos sistemas de ensino do mundo. A ideia de que devem “oferecer um sistema de ensino inclusivo em todos os níveis” é também um objetivo central da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Estas questões sobre os princípios da inclusão são especialmente importantes no nosso trabalho, quando apoiamos os nossos utilizadores do serviço a regressarem à comunidade.

Programas desportivos no Centro Naprej – atividades físicas inclusivas e adaptadas

Ao integrar as pessoas com ABI em programas desportivos, focamo-nos em dois importantes aspetos: o aspeto da integração no geral e o valor real das atividades desportivas. O desporto deve representar uma forma de inclusão social. As atividades desportivas são introduzidas como um conteúdo de formação onde, ao contrário das atividades pedagógicas, a escolha individual das atividades desportivas pode ser feita em grande escala, desde atividades à parte destinadas a pessoas com deficiência, a atividades modificadas ou adaptadas destinadas a todos. No entanto, deve ser enfatizado que cada abordagem é igualmente importante e válida, não havendo necessidade de desacreditar as estruturas à parte e elogiar o papel das pessoas com deficiência envolvidas.

A nossa atenção foca-se na importância dos processos e mecanismos de integração que ocorrem na área do desporto e nas questões o que acontece ou poderia acontecer aos sobreviventes de ABI quando entram num contexto desportivo. Envolver atletas com deficiência em atividades desportivas da comunidade ajuda a superar preconceitos, estereótipos e medos. Os últimos tendem a ocorrer mais frequentemente em resultado da falta de informação sobre a vida das pessoas com deficiência, as suas necessidades e capacidades. É por esta razão que isso leva frequentemente ao isolamento social de crianças, adolescentes e adultos com deficiência.

Os mecanismos de integração através do desporto permitem que socializem, conheçam e comuniquem em contextos sociais. As atividades desportivas podem ser adaptadas para cada indivíduo, segundo as suas capacidades e na melhor medida do possível; elas são adaptadas para pessoas com deficiência. Existem atividades desportivas apropriadas para cada indivíduo, quer para fins recreativos, de reabilitação ou de competição.

Incluímos pessoas com ABI nas atividades desportivas. Os sobreviventes podem:

  1. ter uma deficiência física,
  2. ser cegos ou possuir uma deficiência visual,
  3. ser surdos ou possuir uma deficiência auditiva,
  4. possuir uma deficiência do foro cognitivo,
  5. possuir uma deficiência ao nível da fala,
  6. ser indivíduos com distúrbios neurológicos e/ou ao nível da saúde mental,
  7. indivíduos com problemas emocionais e/ou comportamentais,
  8. múltiplas deficiências – deficiências combinadas.

Exemplos de programas desportivos que fazemos no Centro Naprej para fins recreativos, de reabilitação e/ou de competição:

  1. exercícios de reabilitação com ou sem acessórios, condicionamento físico;
  2. desportos aquáticos: natação de reabilitação, natação com o conceito Halliwick, jogos aquáticos, stand-up paddle boarding, remo, mergulho;
  3. jogos com bola (pequena, grande, com som): futebol, basquetebol, netball, footgolf, ténis, ténis de mesa, voleibol, crossboccia, bowling, boccia, badminton, speedminton;
  4. caminhada, caminhada nórdica, hiking, slacklining, orientação, corrida;
  5. desportos de inverno: esqui alpino, snow shoeing, sledding, esqui;
  6. desportos com animais: equitação de reabilitação, pesca de reabilitação;
  7. dança, cheer leading.

Se estamos empenhados em trabalhar para promover a saúde dos nossos utilizadores, precisamos pensar em maneiras de aumentar a sua atividade física, tendo em consideração as suas diferenças individuais. Por conseguinte, tal poderá constituir um importante contributo para a obtenção de um estilo de vida mais saudável. A participação numa atividade desportiva pode melhorar significativamente a sua saúde, bem-estar e qualidade de vida.

Quando juntamos programas desportivos à reabilitação, estamos conscientes de que, para as pessoas com ABI, o desporto pode afetar a condição física de várias maneiras – boa circulação sanguínea, músculos mais fortalecidos, equilíbrio e coordenação melhorados, etc. Mas o desporto pode oferecer muito mais. As pessoas que se envolvem no desporto beneficiam também de uma série de benefícios psicológicos, tais como melhor autoestima, melhor autodisciplina, melhor autoconfiança e melhor confiança nas suas capacidades. Constatamos também uma melhor gestão da raiva e uma melhor capacidade em lidar com situações stressantes do que os sobreviventes de ABI que são menos ativos. Cooperam e interagem mais com os outros. Têm mais hipóteses de ganhar um sentido de responsabilidade em relação a si próprios e aos outros. O desporto dá-lhes algo com que ansiar.

Depois de sofrer uma lesão cerebral, os indivíduos podem sentir dificuldades em lidar com situações e atividades comuns do quotidiano, razão pela qual sofrem muitas perdas nas suas novas vidas. Por isso, é muito importante que os ajudemos a encontrar algo com que conseguem lidar e desfrutar também. O desporto pode dar-lhes uma razão para viver.

Portanto, podemos afirmar que o desporto é uma plataforma para a aquisição de conhecimentos e competências de vida, bem como uma oportunidade para a inclusão social.

References

Bužan V. (2011). Uvod, Usposabljanje strokovnih delavcev za uspešno vključevanje otrok in mladostnikov s posebnimi potrebami v vzgojo in izobraževanje v letih 2008, 2009, 2010 in 2011, Skupnost organizacij za usposabljanje oseb s posebnimi potrebami v Republiki Sloveniji, Ljubljana

DePauw, K. P., and S. J. Gavron (2005). Disability and Sport. Champaign, IL: Human Kinetics.

Konvencija o pravicah invalidov, Retrieved from http://www.mddsz.gov.si/fileadmin/mddsz.gov.si/pageuploads/dokumenti__pdf/konvencija_o_pravicah_invalidov.pdf, 8.6.2018

Kresal Šoltes,K., Novak, M., Kresal,B., Kalčič, M., Zaviršek, D., Invalidi med socialnim varstvom in trgom dela (ekspertiza – pravni in mednarodni vidik), Ministrstvo za delo, družino in socialne zadeve, Ljubljana, 2006, Retrieved from http://www.mddsz.gov.si/fileadmin/mddsz.gov.si/pageuploads/dokumenti__pdf/invalidi_soc_varstvo_trg_dela.pdf, 10.6.2018

Mihorko, B., Štrumbej, B., Čander, J., Cimerman Sitar, M. (2014). Smernice za šport in rekreacijo invalidov Operativni program Slovenija-Avstrija 2007-2013, Maribor

Stevenson, P. (2009). “The Pedagogy of Inclusive Youth Sport: Working towards Real Solutions.” In Disability and Youth Sport, edited by H. Fitzgerald, 119–131. London: Routledge.

Štefančič, Z. (2002). Vizija preobrazbe specializiranih institucij – zavodov za vzgojo in izobraževanje oseb z zmerno, težjo in težko in najtežjo motnjo v duševnem razvoju. V: Destovnik (ur). Osebe s posebnimi potrebami v procesu inkluzije ter vloge defektologov in specializiranih institucij. Društvo defektologov Slovenije.

UN Inter-Agency Task Force on Sport for Development and Peace. (2003), Why Sport? Paris: UNESCO. Retrieved from http://www.un.org/wcm/content/... on 20.6.2018